"Governments don't rule the world... Goldman Sachs does..."

This is probably one of the most frank discussions I’ve ever seen out of a financial guy stating the de facto situation: Governments don’t have the power to control the economy, and banking effectively rules the world.

He also talks about the state of the Eurozone and how bankers love markets like this because there’s a lot of chance to make boatloads of money.

  1. Jinichi says:

    Estou fazendo meu ulitmo comente1rio, pois minha intene7e3o era de contribuir com a segurane7a na navegae7e3o e achei que as pessoas iriam fazer o mesmo, cada um em sua e1rea de formae7e3o e experieancia.O que ocorreu foi uma disputa de raze3o de acordo com a sua especialidade e atuae7e3o.Comente1rios vagos, tais como, discordar de minha competeancia por eu ne3o atuar na e1rea ou aplicar alguma sisteme1tica de analise ne3o enriquecem em nada este ff3rum, estas pessoas deveriam expressar as suas ideias.Informo que tenho formae7e3o, habilitae7e3o, conhecimento e experieancia na e1rea de segurane7a, apenas ne3o atuo diretamente na segurane7a do trabalho, pois exere7o fune7e3o administrativa em minhas empresas sendo muito mais rente1vel, o que ne3o significa que ne3o observo, cumpro e cobro normas de segurane7a de meus funcione1rios.Quanto a Flaviana, peco-lhe desculpas se ne3o entendi a sua primeira postagem, pois aparentemente vocea defendeu a postura do comandante do navio.Para melhor entendimento geral o meu objetivo era enfatizar que O NAVIO PODERIA NUNCA PODERIA SER DESVIADO DA SUA ROTA ORIGINAL, seja por falha de equipamento ou de qualquer natureza.Para isto, narro umas de minhas experieancias inerentes a navegae7e3o:He1 mais de 20 anos fui convidado a entrar em um cargueiro poloneas, considerado na e9poca um dos maiores do mundo.Na apresentae7e3o oferecida pelo consulado poloneas, apenas poucas pessoas puderam participar deste evento.Conhecemos a belonave e depois de um almoe7o fomos levados conhecer o navio e alguns de seus procedimentos, assim como as atividades da empresa de outra nacionalidade que operava a embarcae7e3o.Na e9poca foi questionado a presene7a de um pequeno nfameros de tripulantes do navio e nos foi esclarecido o seguinte:1 – A tripulae7e3o era composta de pessoal altamente especializado em conduzir adequadamente em segurane7a o navio durante o transporte e manuseio de cargas, oferecer a manutene7e3o possedvel em alto mar e proporcionar assisteancia medica aos tripulantes;2 – O navio teoricamente poderia ser conduzido (dirigido) atrave9s de equipamentos eletrf4nicos em segurane7a sem a necessidade de intervene7e3o humana;3 Isto ne3o era feito, pois existiam normas que ne3o permitiam, exigindo sempre o acompanhamento da tripulae7e3o por medida de segurane7a, pois nenhum computador era te3o eficiente, re1pido e capaz de analisar as diversas situae7f5es e problemas que podem ocorrer durante a navegae7e3o ;4 – A conferencia de curso era periodicamente realizada atrave9s de cartas ne1uticas de forma manual e outros instrumentos, afim de evitar erros de programae7e3o ou falha nos computadores, garantindo a segurane7a de toda a operae7e3o, pois houve um imenso investimento na construe7e3o do navio, considerando tambe9m o alto valor da carga transportada.5 – A navegae7e3o fora da costa era totalmente automatizada e o comandante sf3 deveria intervir em caso de necessidade sendo imprescindedvel o acompanhamento humano em todo o seu trajeto;6 – O navio dispunha de acomodae7f5es conforte1veis e locais de lazer para combater o stress de seus ocupantes, sendo feito um acompanhamento medico e psicolf3gico periodicamente, o que era de se admirar em um navio de um pais comunista, naquela e9poca.7 – Qualquer anormalidade no curso do navio ou falha de equipamento era reportada para a empresa response1vel pelo navio e as autoridades competentes para que ne3o houvessem riscos de colise3o com outras embarcae7f5es, aguardando instrue7f5es quando necesse1rio;8 – Nos foi informado que je1 naquela e9poca o navio dispunha dispositivos de localizae7e3o em terra que acompanhavam a rota do navio, assim como ve1rios equipamentos de sinalizae7e3o e comunicae7e3o interna e externa auxiliares, para o caso haver uma grande pane.Ne3o posso acreditar que uma embarcae7e3o nova equipada com os mais modernos equipamentos existentes, de um custo de mais de um bilhe3o de reais, com 115 mil toneladas, 290 metros de comprimento ne3o obedee7a procedimentos iguais ou mais sofisticados.Lembro que atualmente carros, caminhf5es de transporte e outros tipos de veedculos tem seu curso monitorado atrave9s de sate9lite e quando este3o fora de uma rota prevista se3o imediatamente contatados para averiguae7e3oQuando me referi a tripulae7e3o, esclaree7o que ne3o se3o todos os seus membros e sim os response1veis das e1reas de navegae7e3o, segurane7a e manutene7e3o incumbidos no correto funcionamento e operae7e3o do navio.Se3o ve1rios profissionais que operam em conjunto, sendo que muitos tiveram conhecimento do curso irregular e possivelmente ocultem fatos que ne3o prejudiquem a sua carreira, sendo coniventes e tambe9m response1veis pelo ocorrido.E obvio que existiram ve1rios herf3is dentre toda a tripulae7e3o que arriscaram as suas prf3pria vidas em auxiliar e retirar as pessoas que estavam no navio e que nunca sere3o reconhecidos ao contrario do capite3o do navio que comprovadamente abandonou o navio e as suas responsabilidades.No navio em que viajei, a maioria da tripulae7e3o falava ingleas ou espanhol com dificuldades, pois eram de origens africanas, indianas, filipina, chinesa e de outros lugares do mundo onde a me3o de obra e barata, ne3o sendo possedvel exigir muito deles, mas mesmo assim se3o bem treinados em suas e1reas de atuae7e3o e muito agrade1veis com os passageiros.Je1 os oficiais eram muito visivelmente mais qualificados e reservados exibindo uma postura profissional e poucas vezes eram vistos circulando pelo navio.Avistei o comandante somente quando ele participou de festividades, em ocasif5es exigiam a sua presene7a, tais como jantar com o comandante, a noite de natal e na apresentae7e3o das varias nacionalidades da tripulae7e3o do barco, todas realizadas longe da costa.Sempre se portando com muita formalidade, respeito e disciplina, como um profissionalismo impece1vel.Acredito a maioria dos profissionais da navegae7e3o levam a sua fune7e3o a serio e devem ser respeitados e admirados.SOBRE ALGUMAS HIPOTESES LEVANTADAS1 – O capite3o foi imprudente e irresponse1vel ao homenagear um colega ou a populae7e3o da ilha.Neste caso, a manobra foi feita de forma deliberada pelo comandante com o consentimento e auxilio de outros oficias response1veis, pois ele ne3o conseguiria faze-la sozinho.A controladora do cruzeiro tambe9m teve o com o conhecimento da manobra e pode ter ignorado tal ato de imprudeancia, caso ne3o o tenha feito, poderia imediatamente ter contatado o navio e averiguando as causas do desvio, exigindo a corree7e3o da rota de forma segura.Deveria ter sido considerado tambe9m que outras embarcae7f5es poderiam estar navegando na regie3o e que possivelmente ne3o dispusessem de equipamentos sofisticados e ne3o sf3 a existeancia de rochas que ne3o supostamente ne3o estariam catalogadas em cartas ne1uticas conforme alegou o comandante.2 – Houve pane no sistema de navegae7e3o eletrf4nica ou programae7e3o de curso erradaA tripulae7e3o teria condie7f5es de constatar tal falha, pois estava muito prf3xima a ilha, com visibilidade das luzes em terra, pois estava he1 mais de sete quilf4metros do seu curso original a aproximadamente um quilometro da costa onde ocorreu a colise3o.O controle em terra response1vel pelo navio e a capitania dos portos deveriam ter contatado com a embarcae7e3o avisando sobre a mudane7a de rota e proximidade da costa.Um cruzeiro habitualmente faz o mesmo percurso durante ve1rios meses e a durae7e3o de uma viajem em geral e sempre a mesma, portanto a regie3o e hore1rios habituais de chegada se3o conhecidos pela tripulae7e3o.Geralmente ocorrem durante o dia para diminuedrem os custos de atracae7e3o e permaneancia no porto sendo uma proximidade exagerada da costa ne3o era um fato comum e facilmente poderia ser observado pela tripulae7e3o.Tambe9m os controladores ne1uticos locais certamente constatariam uma irregularidade ao avistar um imenso navio, mais iluminado que uma arvore de natal, navegando em suas aguas e deveriam ter alertado a embarcae7e3o.3 – Falha mece2nicaEstes navios possuem ve1rios motores e propulsores localizados ne3o sf3 na popa como na proa do navio ale9m de estabilizadores, que permitem a navegae7e3o independentemente de uma falha em um propulsor, e caso isto ocorresse o comando seria alertado, sendo que dificilmente isto pode ter ocorrido.DEMORA NA EVACUACAO DO NAVIOConsidero que o desembarque deveria ter sido efetuado muito mais cedo, principalmente he1 hipf3tese do navio ter sido encalhado propositalmente, situae7e3o em que todos seriam obrigados a sair da embarcae7e3o.Operae7e3o que levaria longo tempo devido ao enorme numero de pessoas a bordo e teria tido maior sucesso antes do navio adernar ou encher mais de agua.Pois bem, aqui ficaram meus comente1rios e espero que possa ter contribueddo em alguma coisa atrave9s deste portal.Historicamente a prevene7e3o de acidentes e falhas ne3o se3o adequadamente efetuadas e somente com a perdas de vidas humanas com grandes prejuedzos financeiros, o assunto e levado em pauta, tanto no transporte rodovie1rio, ferrovie1rio, maredtimo e ae9reo.Houveram falhas humanas em todos os setores, mas indiscutivelmente o fato gerador desta cate1strofe foi o desvio da rota do navio.A empresa response1vel pelo navio fara o inimagine1vel para tentar justificar esta trage9dia para que possa conseguir receber o seguro da embarcae7e3o, o comandante e demais response1veis tambe9m utilizare3o do corporativismo ao tentar diminuir as suas responsabilidades sobre o ocorrido e garantir os seus empregos.O mais prf3ximo que estaremos da realidade sere1 o que for divulgado pela seguradora do navio, pois ela tere1 acesso a todas as informae7f5es relevantes disponedveis, investigando tudo o que for possedvel para diminuir ou ate anular as indenizae7f5es, conforme as clausulas contratuais.Possivelmente a retirada do navio e do seu combustedvel sf3 ocorra apf3s uma detalhada pericia efetuada pela seguradora, que com certeza se dirigiu ao local imediatamente apf3s o sinistro a fim de garantir a integridade da caixa preta do navio e colher informae7f5es que possam ser comprometidas.Agradee7o a todos que se dispuseram a ler o contefado desta mensagemTadeu

Post a comment

Name or OpenID (required)


(lesstile enabled - surround code blocks with ---)